Rádio Cenecista de Picuí

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Senhora de 87 anos procura familiares em Picuí e sonha em conhecer a terra natal

A história de dona Luzia busca um reencontro com seu passado a partir da força das redes sociais e solidariedade dos amigos que compartilham o seu sonho
Foto: Divulgação
Dona Luzia tem 87 anos
A senhora Luzia Maria da Silva tem 87 anos e um sonho que parece simples, mas se mostra desafiador: conhecer a terra natal, a cidade de Picuí, interior da Paraíba. 


Dona Luzia dançadeira como é conhecida hoje na cidade São Bento do Una, Pernambuco, tem uma vida intensa através da música e dança que pratica semanalmente no centro de idosos da cidade.

Dona Luzia Maria da Silva nasceu em 1929 no município de Picuí e é filha de Olegário Dias da Silva e Josefa Maria da Silva, mas, devido ao falecimento de sua mãe, foi doada a família de Maria Madalena da Silva e João Minino aos nove meses de idade. Com pouco tempo sua mãe adotiva (Maria Madalena da Silva) faleceu e dona Luzia foi viver com Toinha (Maria Antônia da Silva) e Moisés Domingos da Silva - este trabalhava na exploração da cal e pedras de granito. Seu Moises Domingos viveu em Picuí e teve três filhos: Elizabeth, Valdemar e Nivaldo.

Dona Luzia nasceu em Picuí
(Foto: Divulgação)
Devido as dificuldades da época, a família deixou a comunidade de Canoa de Dentro (Picuí-PB) e passou a viver em algumas cidades da Paraíba em busca de trabalho com “as pedras”. Algumas das cidades que dona Luzia lembra: Remígio, Algodão de Jandaira, Esperança, Pixinanã, Campina Grande e região do Cariri.

A história de dona Luzia busca um reencontro com seu passado a partir da força das redes sociais e solidariedade dos amigos que compartilham o sonho desta senhora que hoje tem na dança a alegria da vida e nas latinhas de refrigerante que cata a esperança de um dia visitar a terra que nasceu.

Aos que querem ajudar, procurem em sua comunidade alguém com o nome de Olegário Dias da silva (Pai) ou algum de seus familiares e entrem em contato através do número de celular: (81) 99254-4515.

História - Robson Rubenilson

Para postar um comentário:

“É livre a manifestação de opiniões, sendo vedado o anonimato”

Nenhum comentário:

Postar um comentário